sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Quero reafirmar que o Largo e Capela continuam ao serviço da comunidade da Barra Cheia, embora ordenado e com regras,... palavras do Padre Carlos


PARÓQUIA DE S. LOURENÇO DE ALHOS VEDROS

Comunicado à População da Barra Cheia

Como já é do conhecimento público, foi elaborado e assinado acordo, através do Tribunal Judicial da Comarca da Moita em que a Câmara Municipal da Moita reconheceu a propriedade do Largo da Capela da Barra Cheia à Fábrica da Igreja Paroquial de Alhos Vedros. Processo em Tribunal que teve origem na pretensão da Câmara, em 2005, de efectuar obras no Largo, sem a concordância da Igreja, dado que as mesmas punham em causa a utilização do Largo.

Em todo o país, às Igrejas ou Capelas está sempre associado um espaço utilizado para actos de culto – os chamados adros. Em 1864, Manuel Gomes Padre Nosso e esposa doaram à Igreja um terreno, com a área de 5033 m2, para aí ser construída uma Capela ou Igreja. No caso da Barra Cheia, este espaço sempre foi denominado de "Largo da Capela"

Os anos foram passando e a dada altura, o que era uma certeza, foi contestado. Então, houve necessidade de recorrer à justiça. As partes interessadas apresentaram-se com os seus advogados a Tribunal. Por sentença judicial e mediante um bom entendimento dos advogados respectivos, foi dito que, de facto, o Largo com a sua Capela, são pertença da Igreja. Se a sentença nos fosse desfavorável, sentiríamos muita pena, mas acataríamos. Respeitaríamos as decisões. É isto que é pedido às outras partes e ao bom povo da Barra Cheia

Diz-se: "o Largo é do povo!" também a Assembleia da República é do "povo", também a Câmara é do "povo", mas há uma entidade a quem pertence. A Câmara, por exemplo, não é do presidente, nem da vereação…O mesmo se pode dizer da Igreja Paroquial (não é do Padre, não é do Bispo, mas é de uma entidade).

Ninguém contesta que a Câmara da Moita feche com um muro e forte portão de ferro o Largo do Mercado Mensal na Moita; tem todo o direito de o fazer, até na altura das festas, quem quiser lá estacionar paga. Isto aconteceu comigo.

Nós não fechamos o Largo da Capela da Barra Cheia com um muro e portões. Demarcou-se a propriedade com uns marcos.

Pôs-se termo á devassa do Largo, para dele não se fazer uso de parque automóvel e de negócios, fim para o qual o Largo não se destina.

As pessoas podem circular à vontade e continuar a utilizar o Largo.

Acham correcto que, para apanhar a sombra, haja pessoas que estacionam os carros em cima da porta da Capela?

Também quero dizer que é muito grave partirem-se marcos!

Aproveitar o largo para fazer ralis no meio de imensa poeira e barulho não está certo.

Aproveitar o Largo para actividade comercial ilegal, como a venda de automóveis sem conhecimento de ninguém, também não está certo…

Quero reafirmar que o Largo e Capela continuam ao serviço da comunidade da Barra Cheia, embora ordenado e com regras, tentando servir o maior número de pessoas e não apenas alguns, existindo espaço para actividades de lazer e espaço reservados a estacionamento. Reafirmo também a nossa vontade de cumprir o acordo celebrado em tribunal, que resultou em sentença, no que diz respeito ao entendimento com a Câmara Municipal da Moita no arranjo do Largo. Estamos disponíveis para dialogar e concordar com a elaboração de um projecto de melhoramento do Largo, que sirva a Capela e toda a Comunidade e que essa oportunidade surja em breve.

Contudo há duas pessoas em todo o processo que quero destacar e agradecer:

A primeira é o Senhor Doutor Sargaço Loureiro, conhecido e amigo de há muitos anos, que gratuitamente e como advogado, estudou o caso e se propôs a defendê-lo. Os antepassados e actuais habitantes destas terras da Barra Cheia devem sentir-se agradecidos por este facto e a este Homem.

O segundo é o Fernando Miguel. Aqui nasceu, aqui cresceu e, concorde-se ou não, eu reconheço que muito tem feito por esta terra. Há alguém por aqui que tivesse levado tão longe o nome da Barra Cheia, Alhos Vedros e da Moita? Por Portugal inteiro, Espanha e muitos países da Europa, eu sei lá… através do Rancho. Fez vir até esta terra da Barra Cheia, grupos de Espanha, Itália, Turquia, Brasil, Argentina e outros Países de diversos continentes, que nos entusiasmaram com suas danças, por vezes exóticas, mas de uma rara beleza; a organização das festas anuais…. Depois obras e mais obras: na Capela, no Centro Sócio Cultural, a sala funerária; a nova sede do Rancho, bem como a pesquisa de documentos antigos que a este lugar e à Capela dizem respeito.

Se não temos capacidades para fazer o que alguns fazem, pelo menos, reconheçamos com estima o seu trabalho.

Estamos a preparar uma pequena festa para os dias 10-11 e 12 de Outubro. Vamos de mãos unidas colaborar e continuar a tradição das gentes da Barra Cheia.

Com as minhas saudações, subscrevo-me com amizade.

Alhos Vedros, 26/09/2008


O Prior da Freguesia

_________________________

(Padre Carlos Alves)

3 comentários:

Barra Cheia Largo da Capela disse...

Isto que estão a dizer é tudo mentira, aldrabões!!!
Então têm o largo fechado a correntes? Palhaços!!!!

cartucho disse...

Voçes deveriam arrancar aquela palhaçada que lá fizeram a bem, porque se não aquilo vai ser tudo arrancado a mal, portanto voçês acordem para não haver chatices.

Barra Cheia Largo da Capela disse...

Deveriam ler melhor o papel da Doação , porque o que lá diz é que " É Doado uma porção de terreno para ser construida uma Ermida" , não foi o terreno todo como voçês querem crer

Arquivo do blogue

Acerca de mim

Neste espaço surgirão artigos e notícias de fundo, pautadas por um propósito: o respeito pela Lei, a luta contra a escuridão. O âmbito e as preocupações serão globais. A intervenção pretende ser local. Por isso, muito se dirá sobre outras partes, outros problemas e preocupações. Contudo, parte mais significativa dos temas terá muito a ver com a Moita, e a vida pública nesta terra. A razão é uma: a origem deste Blog prende-se com a resistência das gentes da Várzea da Moita contra os desmandos do Projecto de Revisão do PDM e contra as tropelias do Processo da sua Revisão, de 1996 até ao presente (2008...) Para nos contactar, escreva para varzeamoita@gmail.com