domingo, 16 de setembro de 2007

O facto de não encontramos o corpo, não quer dizer que o defunto não esteja morto e a cheirar mal.

Arruada de "zombies" numa certa localidade conhecida pelo seu bem-estar à beira das margens de um importante rio europeu

Umas dúvidas por esclarecer

Ver em Alhos Vedros ao Poder, Blogue de resistência contra o poder moiteiro e todo o género de amoitados

Da TSF:

«Processo das reformas compulsivas arquivado
Sem provas para avançar, o Ministério Público decidiu arquivar o processo das reformas compulsivas na Câmara Municipal de Setúbal, que tinha sido aberto por suspeita de conluio entre os trabalhadores e os responsáveis autárquicos.»

Esta notícia levanta-me algumas questões, em especial atendendo à reacção que já despertou na tertúlia amoitada e nos seus pseudo-comentadores, mais excitados.
Vamos lá a ver se nós nos entendemos:

  1. Quantos processos são arquivados por falta de provas, sem que isso signifique os factos não tenham existido?
  2. Quantos processos são arquivados alegadamente por não existirem provas, mas principalmente porque há quem não tenha vontade de as encontrar?
  3. Afinal quem foi que mandou Carlos de Sousa sair do cargo, à força e contra vontade do próprio? Os blogues? A oposição setubalense? O Dalai Lama? Não! Foi o seu próprio Partido que em nome do Colectivo o fez sair, mandou calar e deu uma chucha para ele se entreter numa prateleira quase dourada.

Por tudo isto seria bom que quem faz grandes alaridos com este arquivamento, depois não se queixasse de outros arquivamentos, tipo Somague, ou mafia dos bingos.
Porque a lógica dos arquivamentos em Portugal serve a todos e não apenas para alguns.

Quanto ao Carlos de Sousa os primeiros a pendurá-lo em público foram os camaradas, os mesmos que se calhar seguram outros autarcas cá da zona apenas porque sabem que certas provas são difíceis de achar, que se consegue que certas influências se movam para as não achar e porque, no fundo, este país é uma bandalheira onde Valentins, Fatinhas e Isaltinos, arquivados ou não arquivados, acham que a legitmação eleitoral à moda caciquista vale para lavar mais branco.

O facto de não encontramos o corpo, não quer dizer que o defunto não esteja morto e a cheirar mal.


# posted by AV : 9/16/2007 3 comments

2 comentários:

José Santos disse...

Oferece-se alvissaras a quem informar do paradeiro do bloguista desaparecido.
http://zumzuns.blogspot.com/2007/09/bloguista-desaparecido.html

Mário da Silva disse...

Vá lá lêr isto que pode ser que lhe interesse. Está ainda muito fresquinho.

Arquivo do blogue

Acerca de mim

Neste espaço surgirão artigos e notícias de fundo, pautadas por um propósito: o respeito pela Lei, a luta contra a escuridão. O âmbito e as preocupações serão globais. A intervenção pretende ser local. Por isso, muito se dirá sobre outras partes, outros problemas e preocupações. Contudo, parte mais significativa dos temas terá muito a ver com a Moita, e a vida pública nesta terra. A razão é uma: a origem deste Blog prende-se com a resistência das gentes da Várzea da Moita contra os desmandos do Projecto de Revisão do PDM e contra as tropelias do Processo da sua Revisão, de 1996 até ao presente (2008...) Para nos contactar, escreva para varzeamoita@gmail.com